Joelhos das Mulheres – Cuidado redobrado!

Olá kenzetis, tudo bem com vocês?

Nós mulheres somos naturalmente mais propensas a apresentarmos lesões no joelho em comparação aos homens. Entre atletas profissionais, a probabilidade de lesões do ligamento cruzado anterior (LCA), por exemplo, é de 1,5 a 2 vezes maior em relação a seus colegas homens, mas pode chegar a 8 vezes em esportes específicos, como a corrida. As explicações para essa predisposição maior passam por questões anatômicas, neuromusculares, diferenças metabólicas e fatores hormonais relacionados ao ciclo menstrual. Sendo assim, as mulheres que estão retomando as atividades físicas após um longo período de quarentena, precisam redobrar os cuidados.

“O formato do joelho da mulher, com um espaço mais estreito para os ligamentos, e o quadril mais largo são fatores que facilitam entorses. O tempo de resposta muscular da mulher em relação ao homem também é diferente. Ao voltar aos treinos, é preciso tomar muito cuidado e não ir com tanta sede ao pote porque, após um tempo parada, é preciso considerar o desequilíbrio muscular e que o gesto esportivo pode não estar tão treinado, favorecendo a ocorrência de lesões“, explica o ortopedista Pedro Baches Jorge, especialista em Cirurgia do Joelho e Medicina Esportiva e fundador da Clínica SO.U.

O especialista dá algumas dicas de cuidados que as mulheres devem ter, tanto no dia a dia quanto na prática de exercícios, para evitar lesões futuras:

  • Faça aquecimento antes e depois da atividade física. Além de contribuir para uma melhor performance, o aquecimento da musculatura diminui a probabilidade de lesões;
  • Mantenha uma dieta equilibrada e compatível com a atividade;
  • Retome o programa de exercícios gradualmente. Permita que seu corpo se ajuste aos poucos à retomada das atividades;
  • Procure eliminar o peso adquirido durante o isolamento. A saúde do joelho está diretamente relacionada ao peso do corpo. Portanto, é fundamental não sobrecarregá-lo com excesso de peso;
  • Busque exercícios que aumentem a estabilidade do “core” e que forneçam agilidade, flexibilidade e equilíbrio, além de fortalecer glúteos e coxas;
  • Conte com orientação de um profissional para os treinos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *