O efeito da gravidez na pele

A maternidade é o sonho de muitas mulheres, e a gestação é um momento mágico. A sensação de gerar um pequeno serzinho é de outro mundo. Mas como tudo na vida, a gravidez não é um mar de rosas. O excesso de hormônio e a mudança drástica corporal são alguns sinais que não agradam muito as mulheres.

Segundo Leandra Sá de Lima, farmacêutica e consultora da Farmacotécnica, a fase gestacional também traz mudanças na pele que precisam ser cuidadas. “É comum o aumento de oleosidade e de acne, aparecimento de manchas, chamadas de cloasmas, escurecimento de axilas e virilhas, além é claro do aumento de estrias”, explica.

Mas será que esses são problemas estéticos presentes só na gestação? Leandra explica que alguns deles podem ter consequências permanentes e perdurar mesmo após a normalização de hormônios.

O que fazer?

Cada problema precisa ser tratado de uma forma diferente. No caso da acne e da oleosidade, Leandra diz que a melhor forma de prevenir é limpando o rosto com sabonetes adequados. “O Mousse de Limpeza com Zetesol ZN, por exemplo, ele faz o controle da oleosidade e da acne. Higienizando a pele corretamente, o produto consegue promover a regulação sebácea, além de contribuir para a cicatrização da pele”, explica.

A proteção contra raios UVA, UVB e IR também é importante para prevenir esses danos na pele durante o período gestacional. Para isso, a especialista ressalta a importância de se usar fotoprotetores hipoalergênicos e físicos, ela cita um exemplo. “O Fotoprotetor Suav Derm FPS 50 não interfere na função hormonal da mulher, além de ser vegano e hipoalergênico”, pontua.

Para evitar as estrias, o melhor caminho é pela hidratação da pele. “Hidratantes corporais ricos em óleos vegetais, como o RLMT 2, garantem a suavidade e maciez à pele, promovem uma hidratação progressiva, fornecendo uma barreira cutânea eficaz”, esclarece Leandra. Ela destaca que uma pele bem hidratada tem menos chances de ter estrias, e que é importante o consumo de vitaminas A e E, para que a pele tenha a elasticidade necessária para o crescimento da barriga.

Para mulheres com tendências à mancha, a farmacêutica recomenda o uso de despigmentantes, desde que sejam seguros para a grávida. “O Lanablue, permitido o uso durante a gestação, é um extrato de algas azuis, que atua de forma semelhante ao ácido retinóico, favorecendo o controle da hiperpigmentação”, aponta Leandra.

Além da pele

Para evitar as estrias, acnes, manchas e a oleosidade, Leandra ressalta que cremes e produtos para pele não são o único caminho. “Hoje, sabe-se que vários nutrientes são fundamentais para o bom desenvolvimento do bebê e podem favorecer a gestação”, clarifica Leandra, ainda lembrando que os nutrientes são essenciais também no pós-parto.

No entanto, as doses necessárias desses nutrientes aumentam durante o período gestacional. “Por isso é importante que a mulher se alimente de maneira correta antes, durante e depois da gestação”, diz Leandra. Ela ainda ressalta que a suplementação de tais nutrientes pode ser um caminho para a ingestão de quantidade adequada dos nutrientes, mas que precisa ser discutido antes com o obstetra.

Ômega 3

O ômega 3 é extremamente importante no 3º trimestre de gestação, conta a farmacêutica. “Isso porque ele contribui para o desenvolvimento fetal do cérebro e da retina, além de aumentar o peso da criança para o parto”. Para as mães, o ômega 3 aumenta a duração do parto, diminuindo as chances de um nascimento prematuro, e no pós-parto, diminui a probabilidade de uma depressão, além de aumentar a imunidade do bebê.

Folato

Encontrado em folhas verdes, legumes, brócolis, aspargos e abacate, o folato é fundamental na formação do feto. “Esse nutriente ajuda na construção do tubo neural e no desenvolvimento do coração”, fala Leandra.

Vitamina D

A vitamina D é responsável pela melhora da imunidade tanto da mãe quanto do recém-nascido. Enquanto o bebê tem como única fonte desse nutriente o leite materno, a melhor fonte para a mãe é a exposição solar. “Além disso, a vitamina D diminui o risco de uma pré-eclâmpsia, diabetes gestacional e depressão pós-parto”, acrescenta a farmacêutica.

Ferro

O déficit de ferro nas grávidas pode contribuir para um parto prematuro e baixo peso do bebê ao nascer. “O ferro pode ser encontrado em vegetais verdes escuros e castanhas, mas a melhor fonte é a carne vermelha”, ressalta Leandra.

Magnésio

Encontrado em castanhas, sementes, legumes, grãos e alguns peixes, o magnésio é muito importante para a manutenção da pressão arterial da mulher. Isso acontece porque o nutriente atua como vasodilatador. “O magnésio também reduz câimbras e ocorrências de partos prematuros”, acrescenta a farmacêutica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *